Site Profissional de Notícias

Blog de conteúdo informativo

História Social Do Cinema Americano

Na primeira etapa do Cinema Novo, que vai de 1960 a 1964, observamos os primeiros trabalhos dos diretores Cacá Diegues, Ruy Guerra, Paulo César Saraceni, Leon Hirszman, David Neves, Joaquim Pedro de Andrade, Luiz Carlos Barreto, Glauber Rocha e Nelson Pereira dos Santos. Entre outras produções dessa época podemos salientar os filmes “Vidas Secas”, “Os Fuzis” e o prestigiado “Deus e o Diabo na Terra do Sol”. Tendo como grande princípio a máxima “uma câmera na mão e uma ideia na cabeça”, essa nova geração de cineastas propôs deixar os obstáculos causados pela falta de recursos técnicos e financeiros em segundo plano. A partir de então, seus interesses centrais eram realizar um cinema de apelo popular, capaz de discutir os problemas e questões ligadas à “realidade nacional” e o uso de uma linguagem inspirada em traços da nossa própria cultura. A partir disso, a produção de filmes cresce e são criados diversos festivais no país.

Os estúdios não tinham ainda os equipamentos utilizados na América e por isso a maior parte das produtoras continuou a apostar, e com sucesso diga-se, em filmes mudos. Uma realidade que muda a partir de 1930 e que transforma por completo o cinema europeu.

Além disso, comprovando seu tom realista, esses filmes também preferiram o uso de cenários simples ou naturais, imagens sem muito movimento e a presença de diálogos extensos entre as personagens. Geralmente, seriam essas as vias seguidas pelo cinema novo para criticar o artificialismo e a alienação atribuídos ao cinema norte-americano. A primeira importante manifestação desse sentimento de mudança aconteceu em 1952, com a organização do I Congresso Paulista de Cinema Brasileiro. Nesse encontro, além de pensarem sobre alternativas para a incipiência da arte cinematográfica, seus integrantes se mostraram preocupados em se distanciar do prestigiado modelo ficcional do cinema norte-americano. Dessa forma, tiveram grande interesse em dialogar com os elementos realistas oferecidos pelo neorrealismo italiano e a “nouvelle vague” francesa. O cinema ainda é o lugar das grandes experimentações e de maior glamour, mas a TV deixou de ser uma plataforma de obras de menor qualidade, no caso dos seriados, para entrar em uma nova era de ouro nas últimas duas décadas, com séries superpremiadas e de qualidade cinematográfica.

No entanto, apesar da desconfiança dos artistas e das reticências dos homens de negócios, durante os vinte e cinco anos que mediram as últimas exibições experimentais de filmes sonoros e a afirmação dos “talkies”, as experiências foram continuando. Outro grande sucesso de exibições é o filme cantante Paz e amor, feito por William Awer, que alcançou quase 1000 apresentações, retratando a vida política da república com ares de ridicularização e paródia.

Nova no sentimento, na linguagem, na técnica e na forma como chegava ao público. Os estúdios estavam presentes em todo o processo, da produção à distribuição e até publicidade e exibição. Controlavam praticamente o mercado internacional, cada qual a seu estilo próprio e com seus próprios criadores e estrelas.

Na França, Charles Pathé criou a primeira grande indústria de filmes; do curta-metragem passou, no grande estúdio construído em Vincennes com seu sócio Ferdinand Zecca, a realizar filmes longos em que substituíram a fantasia pelo realismo. O maior concorrente de Pathé foi Louis Gaumont, que também criou uma produtora e montou uma fábrica de equipamentos cinematográficos. Os irmãos Louis e Auguste Lumière, franceses, ver filmes online hd conseguiram projetar imagens ampliadas numa tela graças ao cinematógrafo, invento equipado com um mecanismo de arrasto para a película. Afinal, em 1939, quando chegou à América, Hitchcock era apenas um diretor europeu de prestígio, enquanto Selznick era o homem que acabara de produzir o maior êxito do cinema mundial, “E o Vento Levou” -obra muito mais sua do que dos três realizadores que se sucederam na direção.

história do cinema americano

Crise Do Cinema Brasileiro

O fraco sucesso dos seus filmes faz com que Woody Allen tenha de cessar a colaboração com a equipa de produção com que trabalhava à mais de duas décadas. O sucesso de filmes em língua estrangeira nos Estados Unidos é tão baixo que a maioria não consegue arrecadar sequer $1 milhão de dólares, valor mínimo para que a distribuição de um filme seja rentável. O visionamento dos filmes candidatos aos Óscares em cassetes VHS, em vez de nas salas de cinema, é prática comum entre os membros da Academia das Artes e Ciências Cinematográficas que votam nos prémios. A Sony declara milhões de dólares de prejuízo nos seus investimentos cinematográficos e despede Peter Guber, executivo responsável pela divisão de filmes. Os filmes A Malta do Bairro e New Jack City, dramas sobre os ghettos norte americanos, provocam violência nas salas de cinema.

293 thoughts on “História Social Do Cinema Americano

  1. 964365 533737Located your weblog and decided to have a study on it, not what I normally do, but this weblog is amazing. Awesome to see a website thats not spammed, and in fact makes some sense. Anyway, wonderful write up. 629110

  2. 431408 414894Quite man or woman speeches want to seat giving observe into couples. Brand new sound system just before unnecessary folks really should always be mindful of usually senior common rule from public speaking, which is to be the mini. very best man speaches 69105

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *